Fabricio Breve - Página Pessoal
Português Português   English English
www.fabriciobreve.com
         
Informações Gerais
Publicações
Currículo Lattes
Trabalhos Acadêmicos
Softwares
Links
Links
Análise de Sinais e Sistemas (UFSCar)
Teoria da Computação (EEP)
PHP (SENAC)
Banco de Dados I (FSL)
Redes de Computadores (FSL)
Laboratório de Programação (FSL)
Laboratório de Redes de Computadores e Sistemas Operacionais (FSL)
Sistemas Orientados a Objetos (UNESP)
Análise de Sistemas (UNESP)
Tópicos: Computação Avançada (UNESP)
Organização de Computadores (UNESP)
Redes de Computadores (UNESP)
Sistemas Operacionais II (UNESP)
Computação Inspirada pela Natureza (UNESP)

Google Scholar ORCID iD icon
 

NOTICE: This page is no longer mantained. Please check the new home page.

 

Fabricio Aparecido Breve nº 15                                                                 1º PD"A"

Denis Dartagnan Augusto de Campos nº 10

 

Trabalho de Geografia

 

Questionário 1

 

1.- Diferencie urbanização de crescimento urbano.

R- A urbanização ocorre quando a população da cidade cresce mais que a do campo, ou seja, quando há migrações do campo para as cidades. O crescimento urbano pode continuar ocorrendo mesmo sem a urbanização, assim como ocorre em muitos países desenvolvidos, onde a urbanização já atingiu seus limites..

2.- O que significa setor terciário hipertrofiado? Dê exemplos.

R-  Significa um setor "inchado" ou excessivamente grande, com alta taxa de subemprego. Como exemplos temos no Brasil um grande número de vendedores ambulantes, guardadores e lavadores de carros nas ruas, e enorme quantidade de empregadas domésticas, etc.

3.- O crescimento desmesurado do setor terciário no Brasil serve aos interesses do setor industrial? Justifique.

R-  Sim. O setor terciário hipertrofiado não é um fenômeno alheio ao tipo de industrialização do país e sim uma decorrência dele. Os subempregados e vendedores ambulantes em geral comercializam produtos vindos do setor industrial e o grande número de oficinas e pequenos negócios descapitalizados normalmente realizam a manutenção de produtos industrializados

4.- Explique o que significam metropolização e áreas metropolitanas.

R-  Metropolização significa uma grande concentração demográfica num pequeno número de grandes cidades, as metrópoles. É o que ocorre com a urbanização brasileira, onde as metrópoles crescem mais que as pequenas e médias cidades. E áreas ou regiões são certos municípios, liderados por uma metrópole que são interligados e possuem problemas em comum, e tenta-se resolver esses problemas através de um planejamento urbano integrado.

5.- O que significa rede urbana?

R-  Rede urbana significa uma integração das cidades num determinado espaço geográfico . Existe aí um sistema um sistema polarizado de cidades, umas polarizando as outras: as metrópoles, que comandam extensas regiões, as capitais regionais, os centros regionais, as cidades locais, etc.

6.- Quais são os tipos de cidades que constituem a rede urbana no Brasil? Dê exemplos de cada tipo.

R-  Primeiro temos as metrópoles nacionais, que exercem influência ou polarização sobre todo o território nacional e são duas: Rio de Janeiro e São Paulo. Depois vêm as metrópoles regionais, que polarizam grandes regiões: Belo Horizonte, Salvador, Recife, Porto Alegre, Belém, Fortaleza e Curitiba. A seguir vêm as capitais regionais subordinadas As metrópoles, mas exercendo influência sobre uma  certa região, caso de Manaus, Campo Grande, Londrina, Florianópolis, Ribeirão Preto, etc. . Logo depois aparecem os centros regionais, cidades médias que polarizam cidades pequenas , por exemplo Rio Claro, Piracicaba, etc. e para terminar temos as cidades pequenas ou locais, que exercem influência somente sobre vilas ou as áreas locais vizinhas, esse é ocaso de Santa Gertrudes, Cordeirópolis e tantas outras.

7.- Por que a rede urbana brasileira é mais densa no Centro-Sul e precária na Amazônia?

R-  Porque a rede urbana é um resultado do desenvolvimento capitalista, estando ligado a um crescimento na divisão de trabalho entre a cidade e o campo e entre cidades com recursos e equipamentos diferentes. E esse desenvolvimento capitalista, especialmente industrial, é maior no Centro Sul do Brasil, onde há uma maior densidade demográfica e urbanização, além de cidades em geral com mais equipamentos urbanos.

8.- Brasília é considerada uma única cidade embora possua vários núcleos (Plano Piloto e cidades-satélites: Taguatinga, Ceilândia, Gama, etc.). Estabeleça as principais diferenças entre o Plano Piloto e as cidades-satélites.

R- O Plano Piloto, ou a parte planejada da cidade, que sedia os órgãos do governo federal, possui somente cerca de 23% da população total de Brasília, e as cidades-satélites possuem cerca de 77% do total de Brasília e crescem bem mais que o Plano Piloto. Só que no Plano Piloto  habitam os moradores com elevadas rendas, ao passo que em geral nas cidades-satélites moram as pessoas com baixa renda. E a maior parte dos empregos e também dos equipamentos urbanos de Brasília concentra-se no Plano Piloto.

9.- Quais foram os argumentos utilizados na época para se transferir a capital do país para Brasília? Eles são ou não corretos? Justifique.

R- Os principais argumentos utilizados na época foram: necessidade de promover o povoamento e desenvolvimento do Brasil Central, afastar a capital federal do  litoral - porque a capital estar perto do litoral seria uma espécie de símbolo de influência estrangeira - e colocá-la no "centro geográfico" do Brasil, e finalmente construir uma nova capital como símbolo de um país novo sem favelas e sem pobreza. Todos esses argumentos são falsos na medida que as favelas e a pobreza continuaram a aumentar no país, a influência estrangeira aumentou ainda mais e Brasília na verdade não se situa no "centro geográfico" do Brasil. Além disso, não é preciso mudar a capital quando se deseja desenvolver ou povoar uma região. O melhor seria construir estradas, ferrovias, cidades, usinas geradoras de eletricidade, etc. , que são elementos que influem muito mais num processo de atração econômica e populacional.

10.- Brasília localiza-se realmente no "centro demográfico" do Brasil?

R- Não. Podemos dizer que Brasília situa-se próxima do centro geométrico do território brasileiro, mas nunca no centro geográfico. Isso porque o centro geográfico de um espaço é o local onde existe maior concentração econômica e demográfica, pois a Geografia é uma ciência do espaço ocupados pelos homens, onde o mais importante não são as rochas e sim os elementos humanos e sociais. O Brasil, por exemplo, não consiste somente, nem principalmente no território e sim basicamente nas tradições e no povo. Então o "centro geográfico" do Brasil estar próximo do litoral mais ou menos entre São Paulo e Rio de Janeiro ao invés de estar na parte central.

11.- Faça uma relação dos principais problemas sociais urbanos do Brasil e explique se eles estão ou não relacionados com o tipo de desenvolvimento que vem ocorrendo no país nas últimas décadas.

R- Os principais problemas sociais urbanos do Brasil são: a carência de moradias, especialmente para as classes populares, a multiplicação das favelas e cortiços, a insuficiência dos transportes urbanos e a carência da infra-estrutura urbana. Esses problemas estão ligados ao tipo de desenvolvimento que vem ocorrendo no país, pois este concentra a renda nacional nas mãos de uma minoria rica da população e amplia a pobreza para a maioria das pessoas e,  para completar, o papel do estado nesse modelo "selvagem" de desenvolvimento é incentivar as grandes empresas e nunca atender os interesses do povo.

12.- Estabeleça algumas diferenças entre uma cidade onde há um planejamento urbano rígido e outra onde a participação dos moradores na população é grande.

R- As cidades planejadas e onde o poder dos órgãos de planejamento é rígido , são cidades autoritárias, onde as decisões sempre se dão de cima para baixo sem consulta dos moradores. E as cidades onde a participação dos moradores é grande, são aquelas mais democráticas, onde efetivamente se atende aos interesses da população. No primeiro caso predominam os interesses de uma minoria e no segundo caso há uma maior preocupação com os problemas coletivos.

13.- Explique quais são os conflitos decorrentes da urbanização brasileira.

R- A urbanização brasileira, que é um resultado do desenvolvimento capitalista "selvagem" ou dependente, volta-se mais para obras e serviços que beneficiam as grandes empresas e os bairros mais luxuosos, o que acarreta um conflito com os interesses populares como os "sem-terra" ou os "sem-teto" urbanos, que ocupam terrenos ociosos em busca de local para residir. E como os transportes coletivos são relegados a segundo plano nessa urbanização há  o conflito com os trabalhadores que precisam de condução no seu dia-a-dia e, em alguns casos, já se revoltaram e até depredaram ônibus e trens.

 

 

Questionário 2

 

1.- Diga se a seguinte frase é correta ou incorreta e o porquê disso: "O brasil é um país bastante povoado e pouco populoso".

R- É incorreta, pois o Brasil é na verdade muito populoso e pouco povoado - tem cerca de 150 milhões de habitantes e pouco mais de 17 habitantes por Km².

2.- Explique o que vem ocorrendo nas últimas décadas com os índices de mortalidade no Brasil e suas razões.

R- Esses índices vêm caindo progressivamente: de mais de 20 por mil nos anos 40 eles foram para pouco menos de 8 mil nos anos 80. Esse decréscimo nas taxas de mortalidade deveu-se a melhorias nas condições sanitárias e higiênicas, com saneamento de lagoas e pântanos, dedetização de locais de trabalho e de moradia, expansão da rede de esgotos e água encanada , disseminação do uso de antibióticos e inseticidas, etc.

3.- Explique o que vem ocorrendo nas últimas décadas com as taxas de natalidade no Brasil e as razões disso.

R- Esses índices também vêm decaindo nas últimas décadas: de mais de 40 por mil  nos anos 40 para cerca de 25 por mil nos anos 80. Os motivos dessa queda no índice de nascimento ligam-se a vários fatores: decréscimo na mortalidade levando as famílias a ter uma menor média de filhos, intensa urbanização e as pessoas da cidade se casam mais tarde do que as pessoas do campo e tem mais despesas com filhos, e outros fatores, como o aumento no número de abortos e esterilização de mulheres em idade de ter filhos, expansão do uso de antibióticos, etc.

4.- As taxas de mortalidade (geral e infantil) são basicamente as mesmas para toda a população brasileira ou variam bastante de acordo com as faixas de rendimentos. Exemplifique.

R- Essas taxas variam bastante de acordo com os rendimentos. As camadas mais pobres (Piauí, Maranhão, Rio Grande do Norte, Paraíba), possuem taxas de mortalidade geral e infantil bem maiores que a das camadas mais ricas ou que os estados como o Rio Grande do Sul, São Paulo, Santa Catarina, etc.

5.- Com a concentração na distribuição da renda nacional, que ocorreu nas últimas décadas, o que houve com a expectativa de vida nas diversas camadas sociais do Brasil?

R- Os ricos ficaram ainda mais ricos e os pobres ainda mais pobres, fato que levou a uma maior desigualdade na expectativa de vida da camada social. Os pobres passaram a alimentar-se pior e a sofrer maiores problemas de subnutrição, o que reduziu sua expectativa de vida, enquanto que os ricos tiveram sua expectativa de vida aumentada.

6.- Faça um resumo, com suas próprias palavras, da situação da população brasileira tocante à nutrição.

R- de maneira geral o Brasil tem um nível de nutrição bem razoável, ou seja, como um todo o Brasil está acima dos padrões mínimos de nutrição. Mas na verdade o que ocorre é que a parte rica da população consome mais, e na média compensa o estado de subnutrição das camadas mais pobres. Nos estados mais pobres do país, como os estados do Nordeste por exemplo a população consome uma quantia muito abaixo da média nacional, caracterizando uma subnutrição nas pessoas e principalmente nas crianças, que quase sempre estão com peso e estatura abaixo do normal. Portanto podemos concluir que a subnutrição no Brasil é um problema muito sério que precisa ser solucionado o mais rápido possível.

7.- Explique o que foi a Conferência de Bucareste e as polêmicas demográficas que lá se travaram.

R- A Conferência de Bucareste, realizada em 1974 na capital da Romênia, foi uma conferência internacional, patrocinada pela ONU, para discutir a problemática demográfica do planeta e possíveis soluções para ela. Houve uma polêmica entre os países do Primeiro Mundo, liderados pelos Estados Unidos, que propunham um rigoroso controle de natalidade nos países pobres, e a posição dos países do Terceiro Mundo, que rejeitavam esse controle de natalidade e argumentavam que o problema da fome não se origina do elevado crescimento populacional nos países subdesenvolvidos e sim da exploração que estes sofrem pelas nações desenvolvidas.

8.- O que ocorre atualmente com a política demográfica brasileira?

R- A política demográfica brasileira tem sido nos últimos anos ambígua: não é oficialmente a favor do controle de natalidade mas apregoa ou facilita - através de verbas para hospitais que fazem operações para esterilizar mulheres de baixas rendas, através de campanhas para uso de anticoncepcionais ou preservativos e até distribuição gratuita desses, etc. - o planejamento familiar para as famílias mais pobres. Ou seja, essa o posição governamental a favor do controle de natalidade não é explicita, inclusive por receio de  confronto com a Igreja Católica e com boa parte da opinião pública, mas pode-se dizer que existe na prática.

 

 
eXTReMe Tracker

"Mas, depois que veio a fé, já não estamos debaixo de aio." (Gl 3:25)

Webdesigner: Fabricio Breve 1997 - 2003
[email protected] - Privacidade